História

Breve esboço

O Instituto Superior da Maia foi instituído pela Maiêutica, Cooperativa de Ensino Superior, C.R.L. e iniciou o seu funcionamento em 1990, na Quinta da Gruta do Castêlo da Maia, cedida pela Câmara Municipal da Maia, com 117 alunos, que frequentavam quatro cursos de natureza politécnica.

 A autonomia foi assegurada em 1995 com a aquisição de terrenos e a construção da 1.ª fase das instalações próprias que acolheram cerca de 2000 alunos. A 2.ª fase foi edificada em 2003 e, nessa altura, a população escolar do ISMAI ultrapassou os 4000 alunos, muito semelhante à de 2016.

O esforço da forte relação com a sociedade envolvente está na origem da participação no capital social do TECMAIA (Parque de Ciência e Tecnologia da Maia) em 2001. A partir desse ano, a Maiêutica/ISMAI viabilizou o Projeto Maia Digital com o contributo de 450 mil euros e o envolvimento de docentes e técnicos do ISMAI, através da candidatura apresentada pela Câmara Municipal da Maia, no âmbito dos projetos integrados na estratégia para uma rede de 'Cidades e Regiões Digitais' com dinamização do POSI e da UMIC. Esta participação tornou-se num fator decisivo para o avanço tecnológico operado no Concelho da Maia, ao beneficiar todas as escolas dos diferentes graus de ensino, bem como dos serviços autárquicos, refletindo-se na valorização das pessoas, na e fora da vida ativa.

O Projeto Maia Digital envolveu uma quantia de oito milhões e trezentos e cinquenta euros e foi concluído em 2006, com 98,8% de execução. No Relatório de Avaliação, apresentado em 17 de março de 2006, consta que «a Maia será o primeiro concelho do país onde quase todos os estabelecimentos de ensino irão beneficiar de um sistema integrado de gestão escolar».

Em 2004/2005, teve início o funcionamento dos cursos de Mestrado, o que reforçou a natureza universitária da Instituição e, no ano seguinte, foram criados os Cursos de Especialização Tecnológica (CET), formação que, na altura, se afirmava com significativo sucesso na Alemanha e Irlanda, visando diminuir o insucesso escolar, reduzir o abandono escolar precoce e antecipar os jovens na inserção na vida ativa. Com o processo de Bolonha, implementado a partir de 2006, desenvolveu-se no ISMAI uma cultura de autoavaliação, avaliação externa e internacional, estruturada e profissionalizada, proporcionando a avaliação realizada pela Associação Europeia das Universidades (EUA) em 2009 e 2010, com apoio financeiro da DGES.

Na última década, a investigação científica teve um forte impulso, com um orçamento anual significativo, assegurando missões, execução de projetos e até prémios de produção, distinguindo os docentes com mais sucesso. Atualmente, há seis unidades de investigação científica, organizadas e ativas, com os docentes registados na SCTN, integradas em centros reconhecidos, avaliados e classificados por júris internacionais, no âmbito da FCT.

As seis unidades de investigação dispõem do apoio de várias unidades funcionais, estruturadas e com vocação para contribuírem para a robustez da qualidade da lecionação de 16 cursos de 1.º ciclo (Licenciatura), 12 cursos de 2.º ciclo (Mestrados) e um curso de 3.º ciclo (Doutoramento), distribuídos por quatro departamentos, além de se destacarem na prestação de serviços à comunidade interna, como à externa.

 

Por ter reunido as condições previstas pela legislação em vigor e cumprir integralmente os requisitos previstos, pelo Decreto-Lei n.º 6/2014, de 14 de janeiro, foi alterado «o reconhecimento de interesse público do Instituto Superior da Maia, passando este a ter a natureza de Instituto Universitário e a adotar a denominação Instituto Universitário da Maia – ISMAI».

Nos últimos anos, intensificaram-se as candidaturas da Maiêutica/ISMAI, através de processos concursais, que se traduziram em dezenas de projetos aprovados, transversais a todos os cursos, intra e interdepartamentais, interinstitucionais e internacionais, no âmbito dos programas, entre outros, 'Lifelong Learning', Erasmus e Erasmus+ e ainda do QREN, Portugal 2020, FCT e Fundação Gulbenkian.

 

A internacionalização do ISMAI nos últimos anos tem sido progressivamente conseguida, entre outras iniciativas, com a mobilidade de docentes, funcionários e estudantes, quer incoming quer outgoing. Em 2014/2015, centenas de alunos estrangeiros frequentaram esta Instituição.

Em 2015/2016, por força do Decreto-Lei n.º 43/2014, de 18 de março, que criou os Cursos Técnicos Superiores Profissionais (CTeSP), com a duração de dois anos, o Instituto Universitário da Maia, como todas as instituições de ensino superior, deixou de ministrar os Cursos de Especialização Tecnológica (CET). Em consequência dessa opção da política educativa do governo, os responsáveis pela Maiêutica, no sentido de evitar a perda de uma população escolar de cerca de 500 alunos/ano reuniram condições para a criação do Instituto Politécnico da Maia, que iniciou o seu funcionamento em 2015/2016, com cursos de natureza politécnica, com o grau de Licenciatura e Cursos Técnicos Superiores Profissionais não conferentes de grau, com a duração de dois anos.

 

Assim, na sua natureza universitária, o projeto científico, pedagógico e cultural do ISMAI prosseguirá nas suas vertentes de lecionação, investigação científica, transferência do conhecimento, prestação de serviços, contribuindo para o desenvolvimento económico e social, a nível local, regional e nacional, com uma dinâmica de integração no aprofundamento da globalização, tendo, como referência, padrões de exigência e qualidade, progressivamente consolidados no mundo moderno.

A singularidade do projeto educativo multidisciplinar, privilegiado, com edifícios construídos de raiz, arquitetonicamente agradáveis, num terreno contínuo, com mais de 70.000 m2, com equipamentos abundantes e adequados à vocação dos diferentes cursos, foi reforçada com a construção de um Campus Desportivo. Neste, insere-se um Edifício Polidesportivo, já concluído, assim como dois excelentes courts de ténis, com cobertura, uma pista de atletismo e um Estádio de Futebol, a funcionar em setembro de 2016. Com as suas características únicas no país, o ISMAI será ainda mais atrativo para os estudantes nacionais e despertará a curiosidade dos estudantes estrangeiros, com o natural desejo de conhecerem o país mais ocidental da Europa.
 
 

Símbolos e Insígnias

O ISMAI tem selo, timbre, sinete, bandeira e hino, bem como outros símbolos próprios definidos e protegidos por lei.

Lema

A divisa do ISMAI é bonum studium, optimus labor (estudo sério, ótimo trabalho).

Dia do ISMAI

O dia do ISMAI é comemorado a 2 de outubro, data em que, no ano de 1991, o Instituto foi reconhecido como estabelecimento de ensino superior.​​​​